"Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  "Ekklésia Christiana" em Ter Dez 06, 2011 9:01 am




PLURALIDADE JURÍDICA NA CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL:

DAS CARTAS DE FRANCESCON AO CCBINFO




CURITIBA 2008


ADRIANO APARECIDO CARNEIRO
ANDREIA DA SILVA
FLAVIA BORA
LUDUVINO STEMPNIAK



FESP – Fundação de Estudos Sociais do Paraná

ICSP – Instituto de Ciências Sociais do Paraná


(Trabalho apresentado em seminário, à disciplina de Sociologia Jurídica, sob orientação da Professora Mestra Rosita Cordeiro de Loyola Hummell.)


SUMÁRIO


1. INTRODUÇÃO..................................................................................4
1.1 LOUIS FRANCISCON E O ACONTECIDO DA RUA AZUZA...................5
1.2 A CHEGADA DO PENTECOSTALISMO NO BRASIL..............................6
1.3 SANTO ANTONIO DA PLATINA, NO PARANÁ, UM MARCO...................6
3. NO INTERIOR DO PARANÁ AS PRIMEIRAS DIFICULDADES..................8
4. A CONGREGAÇÃO NO MUNDO GLOBALIZADO....................................9
4.1 PRINCIPIO DA ORGANIZAÇÃO.........................................................9
4.2 CONGREGAÇÃO CRISTÃ DO BRASIL PARA O MUNDO......................10
4.3 A POLÍTICA QUE MANTEM O PODER E A TRADIÇÃO........................11
5. A DISTÂNCIA ENTRE O ESTADO DE DIREITO E A IGREJA...................13
5.1 CONTATO FRIO ENTRE PESSOAS JURÍDICAS..................................13
5.2 COMUNIDADE EXEMPLAR, E A INFLUÊNCIA SOCIAL.......................15
6. DAS REGRAS INTERNAS, ORGANIZAÇÃO E CONDUTA........................17
6.1 A GUIA DOUTRINÁRIA.....................................................................17
6.2 OS ENSINAMENTOS DA MORAL E DO COSTUME..............................18
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS..................................................................21
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................22
ANEXOS ...............................................................................................23

1. INTRODUÇÃO

A Congregação Cristã no Brasil é uma comunidade religiosa ímpar na atualidade, chamada por alguns de seita, ou movimento contraditório, e considerada por outros como o verdadeiro caminho para a salvação da alma. Devido a algumas características, que pretendemos demonstrar ao longo deste trabalho, sua imagem se mantêm como um quadro imutável, em sua história quase centenária, obviamente houveram algumas reformas discretas, muitas vezes imperceptíveis até mesmo entre a membros em geral, como exemplo temos a última reforma do seu estatuto, que ocorreu no ano de 2004, e passou desapercebido às pessoas da comunidade que não estão ligadas diretamente aos ministérios ou cargos, em geral estes assuntos formais são deixados única e exclusivamente nas mãos dos administradores, sempre com a supervisão do Conselho de Anciães.

Os estatutos somente se adaptaram à legislação do Estado, os manuais simplificam processos já um tanto padronizados, apesar de não haver dispositivos normativos para isto. Aparentemente suas regras tomam a forma de conselho, que prontamente são atendidos pelos membros em geral. Destacaremos, no entanto, a parte dos costumes que, por suas características, provocam a pluralidade jurídica, uma vez que suas regras morais e de condutas são bem aceitas e praticadas, proporcionando um certo isolamento, entre a comunidade e a sociedade em geral.

Esta aldeia global chamada Congregação Cristã no Brasil, que chamaremos eventualmente de CCB, devido a popularidade da sigla no universo atual da instituição, mantém essa separação, que não é geográfico (pois a CCB está espalhada em muitos países e em todos os tipos de ambientes, sejam urbanos ou rurais, periferias ou áreas nobres), mesmo infiltrada de forma aleatória na paisagem.

É inegável o isolamento social, onde ainda hoje, aproximadamente 68,35 % de seus membros não possuem aparelhos de televisão em suas casas, conforme pesquisa apurada pelo grupo com dados coletados entre os anos de 2001 a 2008 em localidades do interior do estado de Rondônia, São Paulo na capital, interior (Santo Antonio da Platina) e Capital (Curitiba e Campo Largo) do Paraná, há recomendação a quem tem ministério que não convém possuir e ninguém que possua será indicado, no entanto proibe ataques aos meios de divulgação, e cultura do governo, conforme dita os Ensimamentos da Assembléia de 1997.

Os membros esclarecidos preferem outras formas de informação menos invasivas, como leitura de jornais e publicações especializadas em informações. As atividades de interação na comunidade são quase que exclusivamente internas, ou seja, se resumem às reuniões na igreja, aos cultos, ensaios musicais na igreja ou na casa de membros, e reuniões familiares menores.

Mesmo entre os jovens não é comum freqüentarem danceterias, clubes sociais esportivos, e uma série de outras atividades.

A história da CCB remonta a de Louis Franciscon, fundador da filosofia praticada até a atualidade. Notem o testemunho do próprio Franciscon em uma das pouquíssimas publicações oficiais da CCB: "No mesmo ano, ouvi o Evangelho por meio da pregação do irmão Nardi. Em dezembro de l891 tive do Senhor a compreensão do novo nascimento" (CCB. Histórico da obra de Deus. 1977). O ancião Louis Francescon, faleceu em 7 de setembro de l964, na cidade de Oak Park, Illinois, USA, mas seu trabalho se eterniza em uma das maiores igrejas pentecostais do mundo, aproximadamente 3 milhões de membros, que se mantém com uma organização simples e desburocratizada, como em seu princípio.



1.1 LOUIS FRANCISCON E O ACONTECIDO DA RUA AZUZA

Louis Francescon nasceu na comarca de Cavasso Nuovo, em 29 de março de l866, província de Udine, Itália. Após servir ao exército italiano imigrou para a américa, chegando à cidade de Chicago, Estado de Illinois em 1890, onde conheceu o evangelho através da pregação de Miguel Nardi. Em 1891 compreendeu a necessidade do novo nascimento e aceitou a salvação oferecida por Jesus Cristo. Fundou a primeira Igreja Presbiteriana Italiana juntamente com algumas famílias de procedência valdense e o grupo de Miguel Nardi, em março do ano seguinte. Inicialmente Franciscon foi eleito diácono e, passado alguns anos, ancião dessa igreja.

Segundo relato do próprio Francescon, três anos após a fundação da igreja Presbiteriana Italiana, lia a Bíblia Sagrada, em Colossensses, quando ouviu duas vezes as seguintes palavras: "Tu não obedecestes a este meu mandamento" (Historico da obra de Deus). Com isto coloca a prova o batismo por aspersão, e não imersão, praticado pelo Igreja Presbiteriana Italiana.

Em 6 de setembro de l903, em um domingo, após 9 anos da revelação acerca do batismo, aproveitando a ausencia do Pastor Filippo Grilli, convidou a Igreja para assistir ao seu batismo por imersão, que se deu no dia seguinte, onde 18 dos 25 membros da igreja Presbiteriana Italiana se batizaram. Retornando o Pastor Filippo Grilli, da Itália, Francescon pede seu desligamento daquela Igreja, seguido pelo grupo batizado. Este grupo dissidente reuniam-se nas casas uns dos outros.

Em l907 esta pequena comunidade teve contato com o movimento pentecostal nascido recentemente, participando das reuniões da missão religiosa na W. North Ave, 943, guiadas pelo Pastor William H. Durhan, oriundo do movimento Azuza, de Los Angeles, berço do pentecostalismo. Em 25 de agosto de l907, Louis Francescon recebeu o Batismo do Espírito Santo junto ao novo grupo, depois de algum tempo, Durham o incumbe da missão de levar a mensagem do evangelho à colônia Italiana, iniciando naquele país, depois Argentina, Brasil, Panamá, seguindo a expansão do movimento para o mundo.



1.2 A CHEGADA DO PENTECOSTALISMO NO BRASIL

Cumprindo sua missão “evangelística” na Argentina, como lhe atribuiu o Pastor Durham, Francescon e um companheiro, Giacomo Lombardi, viajam a São Paulo, Brasil, chegando em 8 de março de l910. No segundo dia no Brasil, na Praça da Luz, evangelizam um italiano chamado Vicenzo Pievani, morador de Santo Antonio da Platina, porém decepcionados com os resultados de suas pregações, em 18 de abril, Lombardi partiu para Buenos Aires, e Francescon para Santo Antonio da Platina, no norte do Paraná, chegando lá em 20 de abril de l910, deixou estabelecido ali um pequeno grupo de 11 crentes pentecostais, dentre eles Pievani e Felício Mascaro (primeiro brasileiro batizado), ficaram conhecidos inicialmente como “povo do glória” , o primeiro grupo do segmento pentecostal no Brasil.



1.3 SANTO ANTONIO DA PLATINA, NO PARANÁ, UM MARCO

Este município é hoje um centro histórico mundial não somente para a CCB, mas também para o pentecostalismo brasileiro, ruas são nomeadas em homenagem ao primeiro convertido batizado no Brasil (Felício Antonio Mascaro), e a anciães falecidos, a exemplo temos o Ancião Júlio Cirilo de Souza que, de acordo com a Lei 377/2004, nomeia uma rua do Jardim Altvater, naquela cidade.

Júlio foi uma pessoa muito carismática conquistando o respeito e admiração junto à comunidade e sociedade em geral, “em uma visita à sua casa conversou sobre vários assuntos, sempre com um sorriso sincero, apesar da idade avançada teve disposição em cantar uma marchinha antiga sobre os bombeiros a salvar a cidade”, nos relatou Karina Tatiana, que é a terceira geração de sua família na Congregação, em depoimento sobre uma visita àquele ancião em 1998, na época moradora naquela cidade.

O primeiro local de reunião no sertão do Paraná (ver anexos), hoje é um bairro central da cidade, continua sendo propriedade da igreja, que mantém um abrigo com acomodações para visitas. Possui 5 templos (Relatório 2006/2007, n° 70), sendo esta localidade uma das mais conservadoras quanto às suas doutrinas e costumes entre as demais. Não incentivam romarias ou excursões, por temerem a idolatria aos lugares históricos, prática que acreditam desagradar a Deus.



3. NO INTERIOR DO PARANÁ AS PRIMEIRAS DIFICULDADES

Como cita a antropologa Valéria Esteves, em sua dissertação sobre o pentecostalismo entre os indígenas Guaranis, “em busca do italiano Vicente Pievani, com a “missão” de convertê-lo e à sua família, Francescon teria passado por duras provas na viagem até Santo Antonio da Platina”.

A precária estrada de ferro Sorocabana cuja última estação era Salto Grande, e deixara-o a 200 quilômetros de seu destino final (não havia ainda os ramais até jacarezinho-Pr), conforme relato do próprio Francescon, o trecho final, entre Ourinhos-SP e Santo Antonio da Platina, teria feito a cavalo, eram 70 quilômetros em um caminho infestado de onças e outras feras, onde teria sido conduzido por um guia indígena, certamente do povo Guarani que habita reservas na região até hoje, como os da Terra Indígena do Laranjinha, alvo da dissertação da Valéria.

Sobre este mesmo trecho entre o estado Paraná e São Paulo temos o relato de José Lourenço, que há 60 anos transpôs o caminho com seu pai, João Militão, dirigindo um velho caminhão e seus 10 irmãos abrindo a picada com a ajuda de foices e machados. Franciscon chega a Santo Antônio da Platina, encontra Pievani e sua esposa, e junto a estes outras nove pessoas aceitam sua mensagem evangélica, abrindo mais um núcleo de fé pentecostal, como já dito, o primeiro no Brasil. Por conta disso, Francescon conta que foi perseguido por alguns moradores da cidade chefiados pelo sacerdote católico, que juraram matá-lo, o que não ocorreu e com o tempo a comunidade se acostumaria a eles.



4. A CONGREGAÇÃO NO MUNDO GLOBALIZADO

Agora já se passaram quase cem anos da Revelação Pentecostal italiana, cheio de nostalgia, Vazantemg declara em sua publicação biográfica que “em um mundo agora tão diferente daquele de Francescon, a mensagem de fé a todo Evangelho ressoa ainda autorizando para nos recordarmos que a perpetuação desta Revelação Evangélica deve fundamentar-se sobre princípios que Francescon teve consigo até o fim: a autoridade absoluta da Santa Escritura, a guia insubstituível do Espírito Santo, a humildade do ministério cristão doado por Deus, o desinteresse pessoal e a firme vontade que qualquer estrutura da Igreja do Senhor deva ser apenas uma forma de trabalho fraterno e jamais se transformar em uma organização do "poder humano".

Traz a tona uma realidade sempre perseguida pela CCB, que se moderniza, inclusive com sítios na internet destinados aos registros e informações administrativas, o CCBsist e o CCBnet interligam atualmente todas as administrações que lançam seus relatórios e controles em tempo real, de qualquer lugar do mundo, e ainda disponibiliza suporte, informações, avisos, circulares e outras informações de interesse da instituição.

Mas isto mudou muito pouco a prática cristã deste povo, o culto é idêntico ao recomendado na convenção de 1936 já antes praticado, os ditos tópicos de doutrinas e os costumes morais são os mesmos. A afirmação de Foerster em seu artigo sobre as relações de poder e política interna na Congregação nos parece verdadeira, apesar de toda a evolução nos diversos campos do conhecimento, hoje experimentado pelo homem, a Congregação Cristã está na contramão em relação a suas irmãs pentecostais que amoldam suas práticas e doutrinas às condições sociais e morais das sociedades que estão inseridas, e se utilizam de todas as armas disponíveis que proporcionem o seu crescimento. A CCB parece não desejar simplesmente crescer, e isto merece um estudo mais profundo de toda a sua estrutura, que neste trabalho não será possível, e isto será tratado superficialmente.



4.1 PRINCIPIO DA ORGANIZAÇÃO

Como a própria Congregação Cristã em uma síntese de ensinamentos da Assembléia que ocorreu em abril de 2007, declara em seu sítio oficial na internet (inclusive é a única exibição nele), “que com o aumento do número de pessoas professando os mesmos princípios de adoração a Deus e não havendo locais particulares em que fosse possível reunir-se foi necessário adquirir-se locais para esse fim, havendo, a partir de então, a necessidade de se criar instituição com personalidade jurídica para poder legalizar as reuniões e titularizar a propriedade desses imóveis e, por isso, se denominou essa entidade de “CONGREGAÇÃO CRISTÔ, isto é, simples reunião de pessoas, sem qualquer formalismo ou personalismo, apenas imbuídas dos mesmos valores espirituais cristãos de adoração a Deus”.

É um conceito aceitável do que seu fundador criou no interior do Paraná, e ao retornar, em São Paulo, após um contato com a Igreja Presbiteriana do Brás, onde alguns membros aceitaram a mensagem pentecostal, bem como alguns batistas, metodistas e católicos romanos. Surge a primeira "Congregação Cristã" organizada no país, uma pequena reunião familiar.

Então Francescon, em fins de setembro de 1910 parte com destino ao Canal do Panamá, deixando o primeiro templo pentecostal no Brasil. A Congregação Cristã espalha-se, inicialmente entre as colônias italianas, difundindo sua fé a todos os povos do mundo a partir dos estados de São Paulo e Paraná.

A primeira Convenção das Igrejas da Congregação Cristã no Brasil ocorreu em 1936, presidida pelo Ancião Louis Francescon, e veio compilar todos os ensinamentos proferidos até então referentes à doutrina, costumes e condutas morais, em 1940 haviam 305 templos e 17.761 almas, conforme Histórico da Obra de Deus, ocorrendo uma Reunião Geral de Ensinamentos do ano de 1948.

Outra intervenção deste porte ocorreu apenas em 1998, quando nas Reuniões Gerais, compreenderam a necessidade de uma nova edição do resumo das deliberações de 1936 e 1948, sendo a alteração mais considerável a atualização ortográfica, para não tirar o sabor do que foi feito, como diz o prefácio da nova edição do resumo. Hoje totalizam quase 20.000 templos e aproximadamente 3 milhões de membros.



4.2 CONGREGAÇÃO CRISTÃ DO BRASIL PARA O MUNDO

Sem duvida a Congregação Cristã em Portugal é a que mais se expandiu, sendo a porta de entrada aos demais países da europa, teve origem no retorno do emigrante português Domingos de Sá em 1938 de São Paulo, Brasil, onde conhecera a Congregação Cristã. O núcleo original da Congregação Cristã em Portugal foi na cidade do Porto, e durante o regime salazarista foi perseguida, o que levou a emigração de crentes portugueses para a França, Holanda, Luxemburgo, Suíça e Bélgica, resultando as Congregações Cristãs daquelas nações.

Só depois da Revolução dos Cravos em 1974 foi oficializada, e o primeiro local de reunião pública aberto no Porto. Em 2006 haviam aproximadamente 200 congregações em Portugal, o vale do Rio Douro concentra a comunidade que é a maior das denominações evangélicas da região.

Na América do Sul é bastante difundida, contando com o apoio dos irmãos brasileiros que se fazem presentes em cerimonias importantes e com apoio logístico em comunidades mais pobres, o mesmo ocorre na Africa que se expande através da Angola, Africa do Sul, Zimbabwe, e Republica do Congo. No Japão, segundo o Relatório de 2006/2007, haviam cerca de 23 igrejas, e 2 duas legalizadas em Israel. Não há registros de templos oficializados na China.



4.3 A POLÍTICA QUE MANTEM O PODER E A TRADIÇÃO

A Congregação se manifesta oficialmente sobre qualquer assunto somente através do Conselho de Anciães ou da Presidência da Administração, o que lhe confere uma centralização e unidade nas decisões, porém o que fortalece realmente toda a sua estrutura é a soberania atribuída ao Conselho de Anciães, e a centralização das decisões sobre assuntos importantes que, após levantados todos os detalhes serão resolvidos por orientação divina, sendo a decisão registrada em ata com todos os seus detalhes, tudo de acordo com ensinamento da Assembléia de 1969.

O conselho é composto por no mínimo três anciães ou mais (é comum a participação de aproximadamente 20 anciães), apesar de não haver norma alguma sobre esta composição, podemos ver que já no registro da convenção de 1936 haviam três anciães, sendo um o presidente.

Também não há regra clara para sucessões da presidência, o conselho de anciães é apenas um ajuntamento, sem maiores formalismos, onde não há hierarquia como dito na Reunião Geral de 1948, nos ensinamentos de 1972, e no Artigo 18 do atual Estatuto, este último diz que haverá apenas um respeito à antiguidade relativa entre os membros. Além do mais o indicado pode recusar a presidência por uma série de fatores. Podemos concluir que não há como definir previamente os sucessores em tais conselhos, que são a instância máxima da autoridade institucional.

À decisão do Conselho é atribuída uma certa soberania, clara em alguns casos, e implícita em outros. Esta espécie de gerontocracia possui duas faces, segundo a perspectiva Weberiana, teríamos um domínio institucional tradicional, pois já faz parte da tradição obedecer sem questionar a autoridade do Conselho, que possui sua dignidade revestida pela crença de que os mais velhos conhecem melhor a tradição sagrada.

Estes Anciães levam a cabo as políticas da igreja exercendo também uma certa influência carismática pessoal, que se manifesta de forma proporcional à sua imagem diante do grupo. Aristóteles defende que um bom líder não pode ser muito jovem, conforme os Ensinamentos da 52ª e 66ª Assembléias de abril de 1987 e abril 2001 respectivamente, a perspectiva da CCB concorda muito com ele, já que se toma o cuidado de, antes da apresentação do membro, verificar vários quesitos como conduta moral e profissional, antecedentes, se está livre de vícios, das paixões da juventude, e de inclinações políticas, consideram-se primeiramente o tempo que participa na igreja, inclusive na mesma localidade, e a idade, não devem ser novos.

Também não há carreira, um cargo não leva a outro, em observação superficial veremos dois ministérios ditos ungidos, o de ancião e o de diácono, nos dão impressão de que o último levaria ao primeiro, mas há regra que os distingue entre mesa da piedade que será atendida pelo diácono e mesa espiritual atendida pelo ancião, “todavia, a obra de Deus não é carreira ou sociedade ou política, nem curso militar que se vai galgando”, esclarece um tópico de ensinamento do ano de 1970.

Observamos na prática uma variedade muito grande na origem dos membros indicados a ancião ou diácono, desde membros ditos de banco, sem ministério ou cargo algum, passando por porteiros, administradores, cooperadores, e para ancião pouquíssimos diáconos.



5. A DISTÂNCIA ENTRE O ESTADO DE DIREITO E A IGREJA

A Congregação Cristã no Brasil, crê na separação total entre Estado e religião, sendo uma organização totalmente apolítica, sem ligação nem manifestação de apoio a causas ou partidos políticos, candidatos a cargos públicos, nem mesmo a ongs ou qualquer outra instituição governamental ou não, e deixa isto claro em seu estatuto.

Se algum membro de seu corpo ministerial aceitar cargos políticos, deverá renunciar ao seu cargo congregacional. Aconselha seus membros a nunca votar em partidos que negue a existência de Deus e a sua moral, conforme dita nas reuniões gerais de 1948.



5.1 CONTATO FRIO ENTRE PESSOAS JURÍDICAS

Se relaciona com a estrutura do Estado somente no estrito cumprimento da lei, alias o respeito às autoridades constituídas é uma característica do pentecostalismo, seja o governo opressor ou não, recomenda cuidado nos sermões para não atacar a cultura governamental (assembléia de 1997), autoriza registros fotográficos de suas cerimonias somente a enviados do governo (assembléia de 1970), proibe aos membros fazer declaração diante da igreja que sofrem perseguição por sua ideologia política, e mesmo pedir que a “irmandade ore para Desus livrar a este ou aquele de processos na polícia ou nos tribunais” (assembléia 1970), consideram o direito da justiça estatal de julgar e punir como posta por Deus.

A Assembléia de 1984 aconselha que é bom e agradável diante de Deus que todos orem pelo governo de nossa nação e de todas as outras, pelos reis, dirigentes e autoridades constituídas. A Congregação considera incompatível à sua doutrina o envolvimento de seus membros em direção de sindicatos, associações de classe ou moradores, e também em movimentos de protestos contra o governo (assembléia de 2004)

A Congregação Cristã considera que atender à convocação dos Tribunais Eleitorais é dever cívico de seus membros, e isto não os envolveria na política, da mesma forma, quando sorteados para integrar o Tribunal do Júri “devemos atender, cumprindo esta tarefa legal” (assembléia de 1969, 1996).

Em circular á irmandade lembra o excelente conceito da Congregação diante do governo, e que é dever de todos os seus integrantes zelar pela boa reputação. Apesar de todo este respeito e cuidado com o governo a CCB não deseja possuir vínculo político, e diz que não convém convidar políticos ou autoridades para cerimônias de abertura de novos templos (assembléia 1965), também recusa solicitações de empréstimos de suas instalações para qualquer fim, com exceção à requisição do TRE para ocupação durante eleições (assembléia de 1964).

Adverte que serão repreendidos energicamente todos os participantes do ministério que se envolverem de alguma forma em política, e serão desconsiderados como “irmãos na fé” (assembléia de 1969, 1977, 1983), reconsidera na Assembléia de 2001 quanto à expulsão do membro, permitindo que este participe da igreja sendo considerado como “irmão”, mas lhe veda qualquer pronunciamento junto à comunidade sobre suas convicções políticas.

Lembra que o voto deve ser livre e secreto, e nenhum candidato terá autorização para utilizar o nome da igreja em suas campanhas (assembléia de 1983, 1996). Outra particularidade é o seu orçamento, que prevê suas receitas única e exclusivamente advindas de doações espontâneas, e não aceita doação de patrimônio por parte do Estado, agradecem, mas recusam inclusive as verbas votadas em seu favor por diversos políticos (assembléia de 1965, 1966).

Orientam aos Departamentos de Construções para que evitem construir templos suntuosos e com formato diferente do costumeiro, para se evitar custos desnecessários (Reuniões Gerais de 1948). A Congregação Cristã possui um atendimento social independente conhecido pelos membros por Obra da Piedade, obras pias no estatuto. Esta “obra” é administrada pelos diáconos e irmãs auxiliares, que apuram dentre a comunidade quais são as famílias que estão passando por dificuldades, e posteriormente deliberam sobre o atendimento ou não.

Os diáconos são responsáveis por escriturarem os atendimentos separadamente, sendo mantidos de certa forma sob sigilo (Assenbléia de 1964). Muitas organizações religiosas operam políticas assistenciais do governo ou ongs, a CCB aceita auxiliar na distribuição de alimentos, porém não autoriza a divulgação do nome da instituição como parceira, um caso destes esta comentado em tópico de ensinamento da assembléia de 1964, envolvendo donativos dos norte americanos.

Os diáconos são aconselhados a dosar o atendimento assistencial de forma que os membros auxiliados não necessitem de atendimentos complementares (assembléia de 1993).



5.2 COMUNIDADE EXEMPLAR, E A INFLUÊNCIA SOCIAL

Não há corpo missionário todos são “evangelistas” em potencial, Francescom é prova disto tendo viajado toda a américa e uma outra parte do mundo apregoando sua prática do evangelho, outro exemplo é Beatriz dos Anjos Povoa, portuguesa que chegou ao Brasil em 1941, tendo fixado moradia na região do bairro Pari na cidade de São Paulo, vizinho da colônia italiana no bairro do Brás, ouviu a mensagem da Congregação por uma mulher que não possuia cargo ou ministério, após se ver viúva Beatriz viajou por muitas localidades brasileiras apregoando o evangelho da forma que havia recebido, ou seja, pessoa a pessoa, não contan com uma estrutura institucional para missionários profissionais.

O bom testemunho, ou boa conduta social, é importante junto à comunidade, pois chama a atenção de pessoas pré dispostas a se engajar em uma comunidade religiosa, é também pré requisito para se acessar qualquer cargo ou ministério.

Sem duvida a orquestra da Congregação Cristã no Brasil também é um standart para a sociedade, muitos mencionam a música sacra como sendo o motivo da primeira visita à igreja, e a partir daí chega-se à conversão. A música congregacional executada hoje na CCB e muitas outras igrejas retomou sua importância religiosa com Martin Luther, que elaborou o primeiro hinário alemão, "Achtliederbuch" (Livro dos oito cânticos).

Escreveu ainda 33 peças de canto congregacional, aproveitando cânticos em latim, ainda revisou hinos em alemão anteriores ao movimento reformista. Nas melodias de Lutero, que tinha formação musical, havia forte acento rítmico. A maior contribuição de Lutero à hinódia foi a restauração do canto congregacional, e seu mais famoso hino é "Ein'Fest Burg" (Um castelo forte), escreveu a letra (não a utilizada pela Congregação que a reformou, e esta presente no atual hinário, 1994).

A CCB provê aos fiéis escolas musicais gratuitas, que normalmente são ministradas em suas dependências comuns, via de regra no próprio salão de cultos. Atualmente, possui em sua orquestra os mais diversos instrumentos, sempre tocados por homens, com exceção do órgão eletrônico que é executado somente por mulheres, em alguns países as mulheres possuem liberdade para executar os demais instrumentos compondo uma única orquestra mista.

Utiliza-se de um hinário, "Hinos de Louvores e Súplicas a Deus", agora em sua quarta edição de 1965, basicamente formado por melodias universais, principalmente norte americanas, italianas e européias, com poesias inspiradas em trechos bíblicos. Possui 450 hinos distribuídos entre ocasiões específicas, como batismos, santas ceias, funerais, e de Jovens, além de sete coros.

O livro original chamava-se Inni e Salmi Spirituali, publicado, no começo do século XX, pela Assemblea Cristiana Italiana de Chicago, Ill, USA. Curiosamente a CCB não produz e não autoriza gravações de seus hinos (assembléia de 2001), considerando a finalidade da execução unicamente o louvor, que para ser válido deve partir da ação direta do homem em tempo real. Existe porém várias influências um tanto mais complexa desta comunidade junto às sociedades que não abordaremos nesta edição do trabalho, pois temos limitado o tempo e alguma logística.



6. DAS REGRAS INTERNAS, ORGANIZAÇÃO E CONDUTA

O pentecostalismo inicialmente sofreu influência de preceitos Calvinistas, e com o tempo se adaptaram, ou se extinguiram. A Congregação Cristã teve origem marcada por estes preceitos. A doutrina da predestinação é ponto crucial, herdada de seu fundador e primeiros membros, que levou a igreja a tomar caminhos conservadores, escolhendo o isolamento e aguardam os que hão de se salvar, pois virão até a igreja, profecia de Francescon.


6.1 A GUIA DOUTRINÁRIA

Há os pontos de doutrina e da fé que uma vez foi dada aos santos, são 12 considerações que servem de base para a orientação bíblica na Congregação, porém nos limitaremos a transcreve-los nos anexos, por não gerar conflito ou pluralidade jurídica internamente, alvos de nosso propósito nesta edição do trabalho junto a esta comunidade.

Outrossim, abordaremos alguns assuntos conflituosos que a Congregação apresentou suas soluções e interpretações diferentes das correntes religiosas normais. Começemos pelo estudo da bíblica que é regra à grande maioria das denominações, iniciando pela Católica Romana que forma seus sacerdotes com grande carga de estudos, porém não é assim na Congregação que não acredita na necessidade de se preparar técnicamente para as pregações, deixando todo o ensino e orientação para o Espirito Santo, que creem, cuidará do sermão desde a escolha do membro, que poderá ser qualquer um com idoneidade reconhecida pela comunidade, passando pela escolha da passagem bíblica, e finalmente a exortação ou mensagem atual baseada na leitura, que pode vir carregada de correções, de instruções, ou mesmo de palavras de conforto á comunidade.

Confiam que o Espirito Santo tudo realiza, sem necessidade de propagandas, pregações públicas, ou mesmo estudos em seminários (assembléia de 1964), porém recomendam o preparo técnico científico no cotidiano, por ser indispensável diante do desenvolvimento (assembléia de 1971).

Aos jovens há algo parecido com as escolas dominicais evangélicas, apesar de algumas diferenças, são as “reuniões para jovens e menores” iniciadas em 1936, onde, além dos cooperadores, os jovens e até mesmo os menores devidamente guiados por Deus poderão apresentar a palavra (assembléia de 1990), devido a estas reuniões regulares, membros desta comunidade tem conseguido dispensa das aulas de educação religiosa na rede pública de ensino (assembléia de 1995).

Sem dúvida o dízimo também é um dos temas mais controvertidos entre os cristãos, desde os primórdios. Vejam os puritanos ingleses eram contra a obrigação do dízimo, e a favor da criação de contribuições voluntárias que manteriam as igrejas.

Porém ocorreu diferente, ele se manteve, e até nossos dias há a difusão da idéia de que o dízimo é devolvido, e não dado a Deus (se é de Dele, ninguém ousará não devolve-lo). Nisto a Congregação compartilha algo próximo do entendimento de Calvino, que devemos ensinar que todos são livres a dar ou não, que não há mínimo, e que Deus ama a quem dá com alegria, que devemos estar prontos a repartir generosamente nos guardando da avareza, e acumulando tesouros no céu.

Compete ao ancião ou cooperador falar ao povo sobre as coletas para as necessidades da igreja, obra da piedade, e algumas outras, ensinam que a colaboração deve ser com amor e alegria segundo o propósito no coração, e conforme a sua prosperidade (assembléia de 1964). Não pagam dízimos e sim coletas, e se orgulham em não pagar salários ao ministério ou administradores, sendo que todos prestam seus serviços de forma voluntária, de acordo com o estatuto, 2004.



6.2 OS ENSINAMENTOS DA MORAL E DO COSTUME

Em nossas referências utilizamos bastante o termo “assembléia de tal ano”, isto devido a maior parte das regras de conduta moral e dos costumes da Congregação são reguladas pelos chamados “ensinamentos”, pequenos tópicos que tratam um assunto cotidiano e impõe uma conduta determinada à “irmandade”, em pesquisa junto à comunidade concluímos que estes ensimamentos gozam de grande aceitação, já que menos de 10% dos membros dizem não obedecer por não concordar com as decisões contidas neles.

Abordaremos alguns poucos pontos que se destacam do costume corrente, inicialmente veremos como a Congregação Cristã trata o ecumenismo, ou melhor, não trata, pois não aceita união de doutrinas divergentes , nem mesmo se movimenta para gerar um agrupamento futuro, em hipótese alguma aceitam “estranhos à fé” ministrando em seus templos, assim são chamados os que não praticam sua ideologia religiosa, e se alguém se aventurar em levantar diante do povo será impedido pelo responsável pelo atendimento àquele rebanho (assembléia de 1961).

A CCB jamais se unirá, deixam claro quando nem mesmo responde às propostas de outras denominações, permanecendo sempre em seus fundamentos crendo que Deus se retiraria de seu meio caso aderissem ao ecumenismo (assembléia de 1964). Algo mais próximo de um vínculo que notamos é com a Sociedade Bíclica do Brasil, há um fundo especial para suprir as encomendas de publicações desta instituição, principalmente a bíblia na versão aceita de João Ferreira de Almeida, também há uma contribuição anual em auxílio a esta sociedade, que creem ser determinação de Deus (assembléia de 1964 e 1965).

Outra fonte de conflitos internamente solucionados são os casamentos, não fazem cerimonias religiosas, justificam por não haver nenhuma referência bíblica para tal, bastando que os envolvidos estejam de acordo com a lei estatal, porém não proibe festa em comemoração ao casamento, mas sempre vigilante recomenda evitar excessos em bebidas, musicas, etc.

No que refere ao divórcio consideram que, se houve adultéria a parte ofendida é livre para se separar e casar novamente, isto por considerar que o adultero está morto espiritualmente, mas não aceita divorcios por outro motivo que não seja infidelidade, e os que isto fizerem serão considerados pecadores, sendo desconsiderados como “irmão” em em meio à comunidade (assembléia de 1971). Também recomendam condutas em festas de formatura, seus membros não poderão participar da cerimônia religiosa e do baile, restando apenas a colação de grau (assembléia de 1978).

Consideram também as praias um ambiente mundano, recomendando a seus membros buscarem praias isoladas ou com menor freqüêcia de banhistas, então este comportamento será tolerado, desde que não abusem nos trajes (assembléia de 1983). Outro comportamento reprovado são as caçadas e pescarias, esses entretenimento podem levar seus participantes ao vício do alcolismo, por isto estes comportamentos são aceitaveis apenas quando se trata de profissão (assembléia de 1972).

A justiça estatal é evitada ao máximo, é muito comum ouvirmos seus membros falarem que “deixaram a causa nas mãos de Deus”, isto significa que há

de fato uma resistência em acessar este mecanismo, devido a costume antigo que se perpetua, confiam que Deus lhes resolverão as causas (assembléia de 1962). Nos casos que a igreja julga internamente recomenda que se proceda com muita prudência, ouvindo sempre as duas partes em litígio, aos integrantes do conselho aplica-se uma idéa de suspeição em caso de parentesco, zelando pela imparcialidade (assembléia de 1978).



7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Destacamos aqui pontos históricos e conflituosos nesta singular comunidade religiosa, procurando o nosso objetivo, pluralidade jurídica, sem interferir nos seus conflitos particulares internos, ou mesmo discutir sobre sua doutrina, não há de forma alguma interesse teológico em nosso foco.

Houve necessidade de tratarmos sucintamente todos os assuntos, devido ao curto espaço de tempo e a riqueza dos quase 100 anos de história da Congregação Cristã no Brasil, mas esperamos ter atingido nosso objetivo, ao demonstrar que há uma solução interna de boa parte de seus conflitos e assuntos gerais. Em sociologia, se considera ação social qualquer ação que leva em conta ações ou reações de outros indivíduos ou sociedades, esta comunidade religiosa é riquíssima em eventos que modificam tudo em si, e ao seu redor, deste épico resumimos, resumimos, e chegamos ao trabalho que colocamos à vossa disposição.



BIBLIOGRAFIA


http://www.ccbsist.org.br/index04.asp. Acesso em 22 ago. 2008;
http://www.congregacaocrista.org.br/. Acesso em 22 ago. 2008;
http://www.solascriptura-tt.org/. Acesso em 22 ago. 2008;

BARROS, Valéria Esteves Nascimento. Da Casa de Rezas à Congregação Cristã no Brasil: O Pentecostalismo Guarani na Terra Indígena Laranjinha/PR. Fevereiro de 2003. 119 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

VAZANTEMG, Cesar. Biografia de Luigi Francescon. Julho de 2006.

FOERSTER, Norbert Hans Christoph. Poder e Política na Congregação Cristã no Brasil: Um Pentecostalismo na Contra Mão. 2006. Universidade Metodista de São Paulo, UMESP/Brasil (Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, ano 8, n. 8, p. 121-138, outubro de 2006.)

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito Capitalista. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ALVES, Leonardo M. "Christian Congregation in North America: Its Inception, Doctrine, and Worship". Dallas, 2006.

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. "Estatutos". São Paulo, 2004.

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. "Relatório Anual 2006-2007". São Paulo, 2007.

FRANCESCON, Louis. "Histórico da Obra de Deus, Revelada Pelo Espírito Santo". IV Ed. Chicago, 1977.

FRESTON, Paul. "Breve história do pentecostalismo brasileiro". In: ANTONIAZZI, Alberto (coordenador). Nem anjos nem demônios: Interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, 1994
__________________________________________________________________________________________

"Ekklésia Christiana"

Mensagens : 497
Data de inscrição : 18/05/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  Sergio Teixeira em Qua Dez 07, 2011 11:16 am

Algumas observações:

A CCB não tem "sítios de internet". Apenas uma página singular, a qual é usada apenas para um esclarecimento, nos seguintes termos:
ESCLARECIMENTO

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL não autoriza a divulgação pública através de meio eletrônico de qualquer informação a seu respeito, não estando autorizado a tanto quem, através de "site" não pertencente à CONGREGAÇÃO CRISTÃ, se afirme como "site" oficial. Quem o fizer estará atuando em nome, interesse próprio e responsabilidade pessoal. A CONGREGAÇÃO CRISTÃ se manifesta através de sua Administração ou Conselho de Anciães.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ é uma comunidade religiosa inteiramente fundamentada na doutrina e fé apostólicas contidas no Novo Testamento da Bíblia Sagrada.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ tem origem num pequeno grupo de evangélicos italianos que, na cidade de Chicago nos Estados Unidos da América, no ano de 1904, passou a se reunir em suas casas, buscando a guia Divina para seguir os ensinamentos bíblicos cristãos, dentro da simplicidade da fé apostólica.

A esse grupo, desprovido de qualquer denominação e sem qualquer propaganda ou forma especial de comunicação, foram se agregando muitas outras pessoas, sentindo-se movidas por Deus. Dessa mesma maneira, se formaram em diversos países grupos imbuídos dos mesmos sentimentos e compreensão da Palavra de Deus.

Com o aumento do número de pessoas professando os mesmos princípios de adoração a Deus e não havendo locais particulares em que fosse possível reunir-se foi necessário adquirir-se locais para esse fim, havendo, a partir de então, a necessidade de se criar instituição com personalidade jurídica para poder legalizar as reuniões e titularizar a propriedade desses imóveis e, por isso, se denominou essa entidade de "CONGREGAÇÃO CRISTÃ", isto é, simples reunião de pessoas, sem qualquer formalismo ou personalismo, apenas imbuídas dos mesmos valores espirituais cristãos de adoração a Deus.

As receitas advindas de seus membros devem decorrer de ofertas voluntárias e anônimas, cujos valores devem ser aplicados integralmente nas finalidades para as quais foram oferecidas, sendo vedado qualquer caráter de obrigatoriedade de sua prestação ou vínculo com a integração ou permanência de membros.

O exercente de qualquer cargo espiritual ou de administração deverá manter-se através de seu trabalho ou meios próprios, uma vez que é vedada qualquer espécie de remuneração ou retribuição pelo exercício dessas atividades ou pela ministração de serviços espirituais ou sacramentos.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ não tem qualquer vínculo com partidos ou ideologias políticas e os integrantes de cargos espirituais, ou de administração, devem se abster de aceitar cargos ou encargos políticos, sendo incompatível o exercício concomitante de funções em ambas as esferas (cargo ou encargo político e função espiritual ou administrativa na igreja). Recomenda-se aos membros cumprir os deveres cívicos de cidadãos, consoante as leis do país.

Também é vedado aos membros, integrantes do Ministério e da Administração utilizar-se do nome da CONGREGAÇÃO CRISTÃ para fins políticos, eleitorais ou ideológicos.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ não mantém polêmicas sobre os seus pontos de doutrina ou seu modo de organização, nem autoriza ninguém a fazê-lo em seu nome.

Os integrantes do Ministério (anciães, diáconos e cooperadores) e da Administração da CONGREGAÇÃO CRISTÃ não mantém "site" ou qualquer outro tipo de comunicação objetivando atendimento de questões espirituais ou mesmo esclarecimentos de pontos de doutrina ou princípios de fé.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ não faz qualquer tipo de propaganda de sua doutrina, nem se utiliza de qualquer meio de divulgação pública de seus princípios de fé. Quem tiver interesse espiritual de conhecer sua doutrina deverá freqüentar seus cultos em qualquer de suas igrejas.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL

Contudo, se utiliza atualmente de uma intranet oficial, que é uma espécie de "internet particular", de acesso restrito à Administração, para assuntos notadamente administrativos, e da qual o Ministério não se utiliza para nada.
avatar
Sergio Teixeira

Mensagens : 1144
Data de inscrição : 12/05/2011
Localização : Rio de Janeiro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  Mourão em Qua Jun 12, 2013 10:06 am

O sistema CCBINFO, mencionado no título da matéria, é apenas um controle informatizado de portaria, utilizado por ocasião das reuniões ministeriais.
Os participantes se identificam na porta através de um cartão que lhes permite o ingresso, e que é lido em um "hand scanner" e que registra a sua presença. 
Anciães, Diáconos, Cooperadores e Administradores têm cartões diferentes entre si, não apenas através de cores diferenciadas, mas também pela natureza do código empregado para gravação e leitura.
Esse código obedece aos padrões internacionais adotados em nosso país.
Na ausência desse cartão, o membro do ministério terá de obter autorização por escrito de seu ancião responsável para que possa ingressar no recinto.
O CCBINFO não tem outras implicações no sistema administrativo/eclesiástico, restringindo-se a esse "controle de portaria".
É um mero acessório, não tendo portanto a importância toda que o título do artigo sugere atribuir a ele.
avatar
Mourão

Mensagens : 135
Data de inscrição : 11/06/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  aacarneiro em Qua Jul 03, 2013 10:28 am

Caríssimo Irmão Mourão,
O artigo enfatizou um recorte histórico através das ferramentas utilizadas para proporcionar coesão e fortalecer a institucionalização da igreja. A carta seria a ferramenta rudimentar, elementar, culminando com o CCBInfo, ferramenta contemporânea para gestão da informação utilizada especialmente, como explica anteriormente o Irmão Sérgio, pela administração.
Longe de ser um mero controlador de acesso, o CCBInfo é uma ferramenta grandiosa desenvolvida para difundir comunicados, documentos e manuais, além de possuir vários módulos que controlam procedimentos dos setores da administração, tais como Assessoria do Patrimônio, Contabilidade, Fundo Bíblico, e outros.
Espero ter contribuído com estas informações.
Deus Abençoe a Todos.

aacarneiro

Mensagens : 1
Data de inscrição : 02/07/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  Mourão em Qua Jul 03, 2013 6:36 pm

Pelo que tenho observado, pelo menos em nossa região, por algum motivo esse aplicativo não tem sido utilizado de forma plena, pois o irmão cita uma abrangência muito grande.
Por aqui se fala muito em um tal SIGA, ainda em desenvolvimento, que englobaria entre outras coisas o bom e tradicional CCBSIST.
De qualquer forma, não tenho mais acompanhado a "Informática" (hoje em dia chamada de "TI"), e tenho de ficar limitado ao que ouço falar.
Portanto, para evitar falar algo indevido, prefiro ausentar-me de qualquer discussão a esse respeito.
Que Deus abençoe a todos.
avatar
Mourão

Mensagens : 135
Data de inscrição : 11/06/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Pluralidade Jurídica na Congregação Cristã no Brasil: Das Cartas de Francescon ao CCBINFO"

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum